adsense

REVALIDAÇÃO MEDICA

Loading...

NOTÍCIAS

Loading...

NOTÍCIAS

Loading...

terça-feira, 2 de setembro de 2014

UFMT: REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE MÉDICO GRADUADO NO EXTERIOR 2014 C O M U N I C A D O



A Secretaria de Articulação e Relações Institucionais/Gerência de Exames e Concursos da Universidade Federal de Mato Grosso (SARI/GEC/UFMT), após análise, pelas Bancas Examinadoras, dos recursos impetrados contra gabarito, formulação ou conteúdo de questão da Parte I - Questões Objetivas da Prova Escrita, comunica: 

1. Todos os recursos foram devidamente analisados e considerados improcedentes. 

2. O gabarito definitivo corresponderá ao gabarito preliminar divulgado pela SARI/GEC/UFMT em 17/08/2014. 

Cuiabá, 02 de setembro de 2014.

Abraão Lincoln de Oliveira Souza 
Gerente de Exames e Concursos/SARI/UFMT 

MEDICINA: Sul e Sudeste têm 76% de novas vagas de residência médica


São Paulo - Apontada pelo governo federal como uma das medidas estruturais do programa Mais Médicos, que completa um ano do início dos atendimentos nesta terça-feira, 2, a ampliação das vagas de graduação em Medicina e de residência médica iniciada no ano passado ainda não foi capaz de diminuir a desigualdade regional na distribuição dos postos pelo país.


Dados do Ministério da Educação (MEC) mostram que, das 2.822 vagas de residência criadas nos últimos 12 meses, 76,6% foram abertas no Sul e no Sudeste, contrariando o objetivo do programa, de formar médicos nas áreas mais carentes do Brasil.

Os quatro estados do Sudeste receberam mais da metade das novas vagas: 1.629. Por outro lado, as regiões Norte e Centro-Oeste ficaram com cerca de cem postos cada uma.

No caso das novas vagas de graduação em Medicina, a distribuição foi melhor, mas ainda insuficiente para diminuir de maneira significativa as desigualdades regionais.

Entre janeiro de 2013 e agosto deste ano, o MEC aprovou a criação de 4.199 vagas de graduação em Medicina, tanto com a ampliação de vagas em cursos já existentes quanto com a criação de novos cursos. O Nordeste e o Sudeste ficaram com o maior número de vagas. O primeiro poderá ter 1.434 novos alunos de Medicina e o segundo, 1.225.

Embora o Nordeste tenha sido priorizado nessa etapa, quando considerado o total de vagas de Medicina existentes no país, já incluídas as mais de 4 mil criadas desde o ano passado, o Sudeste concentra quase metade de todos os postos.

De acordo com os dados do MEC, são 21.757 vagas de graduação em Medicina no Brasil, das quais 9.536, o equivalente a 44% do total, estão nos Estados de São Paulo, Rio, Espírito Santo e Minas.

Centro-Oeste e Norte são as mais prejudicadas tanto na criação de novas vagas quanto no balanço das já existentes. No primeiro caso, o Centro-Oeste teve aprovadas 559 novas vagas de graduação e o Norte, 329. No balanço dos números totais, são 1.577 e 1.831 vagas, respectivamente, os dois menores números entre as cinco regiões brasileiras.

Metas. A ampliação das oportunidades para a formação em Medicina é uma das medidas previstas na lei do programa Mais Médicos. Ao criar o projeto, em julho do ano passado, o governo federal anunciou as metas de abrir 11,4 mil novas vagas de graduação em Medicina e 12,4 mil vagas de residência médica até 2017.

A ideia, segundo o Ministério da Saúde, seria investir na formação de profissionais brasileiros nas mais diversas regiões do país. O objetivo é que, ao finalizarem a graduação, possam ocupar os postos de trabalho nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) para onde foram encaminhados de forma emergencial e provisória os médicos integrantes do programa Mais Médicos, em sua maioria cubanos. Os profissionais do programa têm contrato para permanecer por um período de três anos, renováveis por mais três.

O governo considera que o local de formação do profissional é determinante para sua fixação após a conclusão dos seus estudos de graduação e residência.

Para o ministro da Saúde, Arthur Chioro, as novas vagas de Medicina, criadas desde o ano passado, já estão mais bem distribuídas, com mais de um terço dos postos abertos no Norte e no Nordeste, e as vagas de residência serão ampliadas em regiões mais distantes na medida em que as novas faculdades de Medicina forem formando suas primeiras turmas, o que exigirá vagas de residência.

"Você normalmente cria as vagas de residência onde você já tem os cursos de graduação. As novas faculdades que estão sendo criadas, principalmente no Norte e Nordeste, têm o compromisso de abrir as vagas de residência, só que como ela cria agora o curso, ela tem seis anos para terminar a graduação e os primeiros alunos começarem a fazer residência. Conforme você vai ampliando o número de vagas de Medicina, vai descentralizando junto", diz.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

‘Mais médicos não tem prazo de validade’, diz ministro

Em entrevista, ministro Arthur Chioro deu como quase certa a prorrogação do contrato dos profissionais do programa até 2019



Brasília - Em entrevista ao Estado, o ministro da Saúde, disse que, em um ano, o programa Mais Médicos foi capaz de reestruturar o sistema de atenção básica brasileiro. E deu como quase certa a prorrogação do contrato dos profissionais do programa até 2019.

- Quais os principais avanços e o que precisa ser melhorado?

Arthur Chioro - O principal avanço é ter garantido, pela primeira vez, desde que o SUS foi criado, atenção básica para toda a população brasileira.

- E os principais desafios?

Arthur Chioro - É dar continuidade à tarefa de garantir a infraestrutura adequada na atenção básica. Estamos fazendo reforma, construção e ampliação de 26 mil unidades básicas, 7.179 estão prontas, 13.046 estão em obras e 5.775 estão em licitação.

- A maior reclamação, inclusive de médicos que atuam não programa, é a questão do atendimento de média e alta complexidade. Existe algum projeto para tentar driblar essa questão?

Arthur Chioro - É a tarefa principal a que nós estamos debruçados agora.

- Existe a possibilidade de trazer médicos estrangeiros para os serviços de especialidades?

Arthur Chioro - A princípio, não.

- E como ficará a atenção básica ao final dos três anos do contrato? Não haverá tempo para formar 14 mil brasileiros...

Arthur Chioro - A formação demora, mas o programa Mais Médicos não é paliativo nem tem prazo de validade. A lei permite que o médico que participe do programa renove a sua bolsa por mais um período de três anos.

- Então é quase certa a renovação desses contratos?

Arthur Chioro - Se o profissional desejar.

- Mesmo que não queiram ficar, não seriam abertos editais?

Arthur Chioro - Isso, mas sempre dando prioridade para médicos brasileiros. Eu não sei se o Brasil, olhando daqui a 20, 30 anos, para colocar médico no interior da floresta, vai precisar abrir para trazer alguém de fora, mas pelo menos a gente venceu esse preconceito.

- Será possível retomar o diálogo do governo com as entidades médicas, que ainda criticam o programa?

Arthur Chioro - Essas são reações de lideranças corporativas. Nós estamos sempre dispostos a dialogar.

Não temos conversado sobre o Mais Médicos, mas temos retomado o diálogo e acho que quem perde são as entidades médicas de ficarem apartadas do debate sobre os rumos da saúde no País.

Agora é importante frisar: nenhum médico estrangeiro ocupou um posto de trabalho de um médico brasileiro, até porque foram cinco ciclos de chamamento. Sempre as vagas foram primeiro ofertadas para os médicos brasileiros.

Em segundo lugar, quando eu converso com os profissionais que estavam segurando as pontas nos postos de saúde sozinhos, eles elogiam muito esses colegas do Mais Médicos.

- O senhor acha que quem critica o programa não tem vivência prática do SUS?

Arthur Chioro - Mais do que não ter vivência, não tem compromisso histórico com o SUS.

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

MEDICINA: Cremesp cassa 66 médicos em 4 anos, mas só 9 deixam trabalho

Em São Paulo, dois dos nove médicos que tiveram o registro efetivamente cassado entre 2010 e 2013 perderam o registro por denúncias de abuso sexual.


São Paulo - Entre 2010 e 2013, 66 médicos tiveram o registro profissional cassado no estado de São Paulo, segundo o Conselho Regional de Medicina (Cremesp).

Desse total, porém, só 14 cassações foram confirmadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), e apenas nove desses profissionais deixaram de trabalhar - cinco continuam em exercício graças a decisões judiciais.

Dos nove médicos que tiveram o registro efetivamente cassado entre 2010 e 2013 em São Paulo, dois perderam o registro por denúncias de abuso sexual. Um deles é Roger Abdelmassih.

Segundo João Ladislau Rosa, presidente do Cremesp, embora o número de cassações seja pequeno para o período, o conselho está atento ao tema.

"Temos uma Câmara Técnica de Assédio para julgar todas as denúncias relacionadas a abusos praticados por médicos. Com a divulgação do tema na mídia, o número de denúncias do tipo vem crescendo", diz ele. O órgão, porém, não tem um levantamento específico de quantas queixas recebidas pelo Cremesp são relativas a assédio sexual.

No geral, o conselho recebe anualmente 3.500 denúncias contra médicos que atuam no estado de São Paulo. Segundo Rosa, desse total cerca de 800 dão origem a processos éticos, abertos quando as investigações preliminares oindicam que pode, de fato, ter havido algum tipo de delito ético.

"Dos 800 processos abertos a cada ano, entre 300 e 400 médicos são considerados culpados e recebem diferentes punições, de acordo com a gravidade do delito", explica Rosa.

As penas variam de uma advertência confidencial à cassação do registro. Esta obrigatoriamente tem de ser referendada pelo CFM.

Prazos

No caso de Roger Abdelmassih, a cassação demorou 21 meses desde o início das investigações. O presidente do Cremesp afirma que a demora na conclusão dos processos está de acordo com prazos previstos em lei.

"Temos cinco anos para o inquérito inicial, para checar se há indício de delito, e mais cinco anos após a abertura do processo ético. Mas, na prática, o processo todo leva menos tempo, geralmente quatro a cinco anos."

Rosa afirma ainda que a demora se deve a um gargalo no número de conselheiros existentes no órgão para analisar as denúncias. "Temos 118 mil médicos no Estado e só 42 conselheiros, mesmo número que tínhamos em 1947, quando o conselho foi fundado e quando São Paulo tinha apenas 1.557 médicos", diz.

Questionado sobre os prazos, o CFM afirmou que "obedece os fluxos processuais, observando os prazos de ampla defesa e contraditório para assegurar que as decisões sejam pautadas nos parâmetros específicos". Disse ainda que tem modernizado sua estrutura administrativa para acelerar o andamento dos processos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

Celpe-Bras: Inscrições abertas: Curso Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros


As inscrições ao curso preparatório para o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras) estão abertas até o dia 31 de agosto. O curso vem sendo oferecido desde 2012 com o apoio da Pró-Reitoria de Extensão da UNILA. Esta edição conta com 30 vagas.

Interessados deverão fazer a inscrição pelo e-mail celpebras.unila@gmail.com e precisarão passar por duas avaliações de nivelamento - sendo a primeira a prova escrita (no dia 1º de setembro, das 18h30 às 20h30) e a segunda a prova oral (que será agendada no dia da realização da prova escrita). No e-mail, o candidato deverá enviar os dados pessoais - como nome, nacionalidade, endereço de contato e número de documento de identificação.

Serão formadas duas turmas de 15 alunos cada: uma de nível intermediário e outra de nível avançado - níveis que são certificados pelo exame. Cada turma terá uma aula por semana, às segundas-feiras, sempre das 18h30 às 20h30. O curso é gratuito e tem carga horária de 48 horas. As aulas serão ministradas na UNILA Centro.

O exame Celpe-Bras é elaborado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e realizado duas vezes ao ano, em abril e outubro. A certificação em Língua Portuguesa é a única no Brasil reconhecida pelo Ministério da Educação, contando, ainda, com apoio do Ministério de Relações Exteriores. O certificado é exigido ao estrangeiro para vagas de emprego e de cursos de graduação e pós-graduação em instituições brasileiras, bem como para a revalidação de diplomas estrangeiros.

O Celpe-Bras realiza a avaliação a partir de duas dinâmicas: produção escrita e produção oral. "Vinculado ao projeto de extensão 'Curso Preparatório para o Exame Celpe-Bras', o curso tem o objetivo de preparar os acadêmicos para este exame, que avalia a língua em uso, valorizando o propósito social e comunicativo da língua portuguesa", explica o coordenador do projeto, Henrique Leroy, professor de Línguas.

Além de preparar os estudantes, a UNILA atuará, pela segunda vez, como Centro Aplicador do exame, em outubro. Dos mais de 70 centros existentes em todo o mundo, a maior parte está em universidades brasileiras. No Estado do Paraná são, atualmente, três. Além de Foz do Iguaçu, há aplicação do exame em Londrina e Curitiba.

(Assessoria UNILA)

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

REVALIDA 2014: Resultado Final das Provas Escritas e Alteração de datas de aplicação da Prova de Habilidades Clínicas



Prezado(a) Participante,

Está disponível o resultado final dos candidatos na primeira etapa do REVALIDA 2014

Após aprovação na primeira etapa de avaliação, deverá ser emitido novo boleto para pagamento da taxa relativa à segunda etapa de avaliação, no valor de R$ 300,00 (trezentos reais).

Para isso deverá acessar novamente o sistema de inscrição, portando seu código de identificação e senha, emitir o boleto e efetuar o pagamento no período de 26/08/2014 a 30/09/2014.


Alteração de datas de aplicação da Prova de Habilidades Clínicas:

A avaliação de Habilidades Clínicas, prevista para os dias 27 e 28 de setembro de 2014, fica adiada para data a ser divulgada posteriormente.

Todas as informações sobre a alteração de datas de aplicação da avaliação de Habilidades Clínicas serão divulgadas neste endereço e comunicadas por e-mail, conforme cadastro de inscrição.

REVALIDA (Medicina) - 2014, Disponível a consulta do resultado para os inscritos





Disponível a consulta do resultado.

Está disponível a consulta. Favor acessar o botão "Acompanhe sua Inscrição" e após realizar o login.  http://revalida.inep.gov.br/revalida/inscricao/

FONTE: INEP

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

A Advocacia-Geral da União (AGU) assegurou as regras do programa de contratação de médicos do governo federal e evitou a inscrição de profissionais formados no Paraguai e na Bolívia.

Apenas profissionais formados em países que possuem relação médico por habitante igual ou maior do que Brasil podem participar da iniciativa.

A Advocacia-Geral da União (AGU) assegurou as regras do programa de contratação de médicos do governo federal e evitou a inscrição de profissionais formados no Paraguai e na Bolívia. O argumento usado foi de que apenas profissionais formados em países que possuem a relação médico por habitante igual ou maior do que a do Brasil podem participar do programa.

A exigência foi questionada em uma ação ajuizada por sete médicos formados em instituições estrangeiras que pretendiam participar do programa e alegavam que teriam sido prejudicados. De acordo com eles, o requisito seria ilegítimo, pois os autores são residentes no Brasil e não atuam como médicos nos países onde se graduaram.

A Procuradoria-Regional da União da 1ª Região (PRU1) explicou que a Lei nº 12.016/09, que instituiu o programa, permite a participação de profissionais formados em instituições de ensino estrangeira e com registro para exercerem a medicina no país e os graduados em universidades no Brasil ou com diploma revalidado no País, sem qualquer descriminação. 

Os advogados apontaram que a norma estabelece, no entanto, que os médicos formados em instituições estrangeiras e que não possuem diploma revalidado no Brasil devem atender ao requisito de possuir registro de exercício profissional em países com proporção médico/habitante maior que a do Brasil (1,8/1000). Segundo dados apontados na ação, a Bolívia possui um índice de 1,1 médico por mil habitantes e o Paraguai 1,2. 

De acordo com a PRU, a própria legislação esclarece o motivo da exigência que tem por finalidade garantir o não agravamento do "déficit" de profissionais médicos em determinados países para atender recomendações do Código Global de Práticas para Recrutamento Internacional de Profissionais da Saúde da Organização Mundial da Saúde. A unidade da AGU alertou, ainda, que o Poder Judiciário não pode invadir competência administrativa sob pena de afrontar o princípio da Separação dos Poderes. 

Ao analisar o caso a 20ª Vara Federal do Distrito Federal concordou com os argumentos da AGU e afastou o pedido dos médicos. "Embora os impetrantes não exerçam a atividade no país em que se graduaram, o acolhimento de sua pretensão estimularia a migração para o Brasil de médicos oriundos de países com baixo índice médico/habitante, bem como condenaria o programa nacional, aos olhos da Organização Mundial de Saúde, à marginalidade", destacou.

Fonte: Advocacia Geral da União

REVALIDA: Prova que valida diploma estrangeiro de médico tem 8% de abstenção


MAIS UMA PROVA QUE APESAR DO POUCO NÚMERO DE APROVADOS, A MAIORIA DOS MÉDICOS COM DIPLOMAS ESTRANGEIROS QUEREM REALIZAR A PROVA DO REVALIDA. 
SÓ NÃO ENTENDEMOS POR QUE O GOVERNO NÃO DEFINE REGRAS MAIS CLARAS, NÃO REALIZA PROVAS 2 VEZES POR ANO, ALÉM DE FISCALIZAR OS VERDADEIROS INTUITOS DOS ELABORADORES DE QUESTÕES!


1ª fase do Revalida foi aplicada; resultado sai em 25 de agosto.
Exame foi feito por 1.983 médicos que estudaram medicina fora do Brasil.



A primeira fase do Exame de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras (Revalida) realizado no domingo (20) teve 8% de abstenção, segundo informou o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) nesta segunda-feira (21). Dos 2.157 inscritos, 1.983 compareceram para fazer a prova. O resultado deve sair no dia 25 de agosto.


A abstenção, segundo o Inep, é a menor desde 2011, quando o exame foi criado.

O Revalida é aplicado uma vez por ano e, na edição de 2014 acontece em dez cidades: Brasília, Campo Grande, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Porto Alegre, Rio Branco, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.

Os candidatos aprovados nesta fase deverão pagar R$ 300 pela taxa de inscrição da prova da segunda fase, que será nos dias 27 e 28 de setembro, em horário a ser definido.

Sobre o Revalida

Todos os médicos com diploma de universidades de fora do Brasil precisam ter o documento revalidado por instituições públicas brasileiras, federais ou estaduais. Como cada instituição fazia seu próprio processo de revalidação, o ministério decidiu centralizar a aplicação da prova. Dessa vez, 41 instituições federais e estaduais vão aceitar essa nota no seu processo de validação.

O exame do Revalida foi criado pelo MEC para padronizar a aplicação de provas práticas e teóricas aos candidatos. Na edição de 2013, 36 instituições usaram a nota do Revalida para emitir ou não a validação do diploma.

No ano passado, 1.772 pessoas se inscreveram e a prova da primeira fase teve 10,7% de abstenção. Dos 1.582 que fizeram o exame, só 155 foram aprovados para a segunda fase, ou cerca de 9,7%.

Na edição de 2012, 884 pessoas de várias partes do mundo se inscreveram para o Revalida, e apenas 77 (menos de 9%) conseguiram a aprovação no exame. O Brasil respondeu pela grande maioria dos inscritos (560), mas apenas 7% dos candidatos foram aprovados. O país ficou na sexta colocação no ranking de índices de aprovação. Os países que obtiveram o maior êxito neste quesito foram Venezuela (27%) e Cuba (25%), apesar de o número absoluto de inscritos ter sido pequeno. Nenhum candidato com nacionalidade de países da Ásia, África ou América do Norte conseguiu passar na prova do MEC.

FONTE: G1

terça-feira, 19 de agosto de 2014

MEDICINA: Polícia prende 11 suspeitos de fraude em vestibular de medicina em SP

Sete vestibulandos da Uniseb, de Ribeirão Preto, tinham pontos eletrônicos.
Segundo Polícia Militar, esquema foi descoberto pela própria universidade.


Sete estudantes que prestavam vestibular para o curso de medicina da Estácio Uniseb, em Ribeirão Preto (SP), foram presos no sábado (16) suspeitos de fraudar a prova usando pontos eletrônicos. Outras quatro pessoas, suspeitas de participação no esquema e responsáveis por repassar informações para os vestibulandos, também foram presas. Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa da instituição informou que havia bloqueadores de celular instalados no prédio, o que impediu a fraude. O vestibular não foi cancelado.

Segundo a Polícia Militar (PM), os estudantes pagariam R$ 60 mil para serem beneficiados pelo esquema. Nenhum dos alunos era de Ribeirão Preto e os vestibulandos vieram dos Estados de Minas Gerais, Goiás, Pará e Paraná.

A polícia informou que as prisões ocorreram depois que um perito contratado pela universidade para monitorar os alunos durante a prova identificou o uso da escuta por um dos estudantes. O monitor retirou o jovem da sala de aula e o vestibulando confirmou que estava com o aparelho de comunicação.

Outros envolvidos
Ainda de acordo com a PM, no telefone celular do estudante estavam diversas mensagens de outros vestibulandos e dos suspeitos de repassar as respostas da prova, que foram identificados e detidos pelos policiais. “Chegaram à conclusão que havia uma caminhonete branca do lado de fora, de onde saíam as informações e nós localizamos o veículo”, afirmou o tenente Fabrício Pane.

Os sete estudantes, um vestibulando responsável por realizar a prova e repassar as respostas e três homens que estavam dentro do carro foram levados para a Central de Flagrantes. Na delegacia, foi arbitrada fiança de R$ 20 mil para os alunos e R$ 40 mil para os suspeitos de participar do esquema.

Pelo menos três estudantes teriam pagado a fiança e libertados. O restante foi encaminhado ao Centro de Detenção Provisória. Os vestibulandos deverão responder pelo crime de estelionato, assim como os outros envolvidos, que também responderão por formação de quadrilha.

O esquema

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

UFMT: Disponível os Cadernos e Gabaritos Preliminares da Prova de Revalidação Médica 2014

PROCESSO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA DE MÉDICO GRADUADO NO EXTERIOR 2014 



17/08/2014- Foi divulgado pela GEC/SARI, às 14h21, os cadernos e gabaritos da Prova de Revalidação de Diploma de Médico realizada no dia 17 de agosto de 2014:

SAÚDE x POLÍTICA

X


Bom dia,

Hoje recebi um e-mail importante aqui no blog “REVALIDAÇÃO MÉDICA” !!!
Entidades médicas do estado de Goiás estão enviando e-mails aos médicos goianos pedindo que peçam votos no dia a dia de trabalho para candidatos escolhidos pela entidade! 

De acordo com e-mail “bem ético”, o COMITÊ DAS ENTIDADES MÉDICAS DO ESTADO DE GOIÁS (CEMEG, AMG, Cremego, Simego, AGM) pede para que todos os médicos do estado peçam votos no dia a dia de trabalho para pacientes e amigos.

Segue trecho do e-mail onde é disponibilizado um: modelo de “cola” para a votação, que deve ser preenchido com os nomes de seus candidatos e usado não só para orientá-lo (a) no dia 5 de outubro, mas para também reforçar seu trabalho para a eleição de seus candidatos. Preencha a “cola”, imprima cópias e distribua entre seus amigos e pacientes. Lembre-se: precisamos trabalhar para eleger quem tem compromisso com os médicos, com a sociedade médica e com a classe médica. A mudança para melhor depende de todos nós! Precisamos nos empenhar para a derrota do atual governo federal nas eleições de 5 de outubro. O médico precisa, no seu dia a dia de trabalho, exercer o seu papel de cidadão e pedir votos contra a reeleição da atual presidente e contra o seu partido. Podemos e vamos derrotá-los! Precisamos eleger o maior número possível de médicos comprometidos com as causas médicas, independentemente de seus partidos. Por isso, apresentamos os médicos, comprometidos com as causas médicas, candidatos em Goiás. 

E segue uma lista com nomes de candidatos médicos no estado de Goiás encabeçado pelo “excelentíssimo” Ronaldo Caiado!

Ainda em outro trecho do e-mail as entidades afirmam que: além do descontentamento com o programa “mais médicos” também estão descontentes com o veto do governo federal ao “ATO MÉDICO”, onde daria o ato privativo (somente o médico) o diagnóstico de doença e a respectiva prescrição terapêutica.

A grande pergunta é?

Pedir voto a pacientes no local de trabalho? 

Onde ficou a ética médica?

Como assim? 

Bem deixo a cargo dos leitores do BLOG REVALIDAÇÃO MÉDICA essas perguntas e com elas tirar suas próprias conclusões se realmente existe uma GUERRA contra o governo federal, contra a população em geral, se é puro corporativismo ou se mesmo discordando da política atual devemos esquecer que ainda somos profissionais respeitados, ou...?!

FONTE: BLOG REVALIDAÇÃO MÉDICA

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

UFMT: Orientações Para a Prova Escrita e Local da Prova 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO
FACULDADE DE MEDICINA
PROCESSO DE REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA
DE MÉDICO GRADUADO NO EXTERIOR – 2014
ORIENTAÇÕES PARA A PROVA ESCRITA



A Prova Escrita será realizada somente na cidade de Cuiabá, no dia 17 de agosto de 2014 (domingo), das 08h00min as 13h00min (Horário Oficial de Cuiabá/Mato Grosso, que tem 01(uma) hora a menos em relação ao horário de Brasília).

Local: Universidade Federal de Mato Grosso – Campus Universitário de Cuiabá – Av. Fernando Correa da Costa, Nº 2367, Bairro Boa Esperança, Cuiabá – MT. O estabelecimento/sala onde o candidato realizará a prova será divulgado a partir de 13 de agosto de 2014, nos endereços www.ufmt.br/concursos e www.ufmt.br/fcm.

A duração da Prova é de 5 (cinco) horas, já incluído o tempo destinado ao preenchimento do Cartão e das Folhas de Respostas e à coleta de impressão digital. O horário de início da prova será definido em cada sala de aplicação, imediatamente após o encerramento da identificação formal dos candidatos, observado o tempo de duração estabelecido neste Edital.
O candidato deverá comparecer ao estabelecimento de aplicação para o qual foi designado com antecedência mínima de 1 (uma) hora do início da Prova, munido de original de documento oficial de identificação, contendo fotografia e assinatura, e caneta esferográfica de tinta azul/preta não porosa. 
Para fins de realização da Prova Escrita serão considerados documentos oficiais de identidade: carteiras ou cédulas de identidade expedidas pelos Comandos Militares, pelas Secretarias de Segurança Pública, pelas 
Polícias Militares, pelos Corpos de Bombeiros Militares e pelos órgãos fiscalizadores de exercício profissional (Ordens, Conselho etc); passaporte; certificado de reservista; carteiras funcionais do Ministério Público e Magistratura; carteiras expedidas por órgão público que, por Lei Federal, valem como identidade; carteira nacional de habilitação (somente o modelo com foto); Carteira de Trabalho e Previdência Social; Registro Nacional de Estrangeiro (RNE).
O documento oficial de identidade deverá ser original e estar em perfeitas condições, de forma a permitir, com clareza, a identificação do candidato e de sua assinatura. Não será aceita cópia de documento, ainda que autenticada, bem como protocolo de documento. Caso o candidato esteja impossibilitado de apresentar, no dia de realização da Prova Escrita, original de documento oficial de identidade por motivo de perda, roubo ou furto, deverá apresentar documento que ateste o registro da ocorrência em órgão policial, expedido há, no máximo, 30 (trinta) dias corridos e será submetido à identificação especial, compreendendo coleta de assinatura em formulário específico que venha a permitir sua identificação por meio grafotécnico, em caso de eventual necessidade.
O candidato que não apresentar original de documento oficial de identidade ou boletim de ocorrência policial, confirmando perda, furto ou roubo de seus documentos, não realizará a Prova Escrita.
Somente o candidato que obtiver na Prova Escrita pontuação igual ou superior a 60 (sessenta) será classificado para a realização da Prova Prática de Habilidades Clínicas; Não será permitido, sob hipótese alguma, o ingresso ou a permanência de pessoas estranhas ao processo no estabelecimento de aplicação da Prova, no dia da aplicação.
A GEC/SARI/UFMT e seus membros de equipe de Coordenação/Fiscalização não assumirão a guarda de quaisquer objetos pertencentes aos candidatos, inclusive dos cadernos de Prova deixados pelos candidatos que não permanecerem na sala de prova durante o tempo estabelecido no subitem 9.12, alínea “l” deste Edital.
A ausência do candidato à Prova Escrita implicará na desistência do pedido de revalidação, sem direito à segunda chamada.
A divulgação do gabarito da Parte I – Questões Objetivas e do Caderno da Prova Escrita será feita até 24 horas após sua aplicação, no endereço www.ufmt.br/concursos. A divulgação das respostas esperadas da Parte II – Questões Discursivas será feita no mesmo endereço eletrônico no dia 17 de setembro de 2014.
O candidato poderá ter acesso ao seu desempenho na Prova Escrita a partir de 17 de setembro de 2014, na sede da GEC/SARI/UFMT – Campus Universitário de Cuiabá e no endereço eletrônico referido no subitem anterior. 

LOCAL DA REALIZAÇÃO DA PROVA ESCRITA 




Cuiabá, 13 de agosto de 2014.
Prof. Dr. Antônio José de Amorim
Diretor da FM/UFMT

REVALIDA: Disponível a consulta e o recurso do resultado provisório da parte discursiva da sua prova escrita.

Disponível a consulta e o recurso do resultado provisório da parte discursiva da sua prova escrita.

Está disponível a consulta do resultado provisório da parte discursiva da sua prova escrita. Favor acessar o botão "Acompanhe sua Inscrição" e após realizar o login, clique no botão "Consulta e Recurso da Prova Discursiva" na coluna de ações.

Após consulta, se houver necessidade de apresentação de recurso sobre esta correção, o sistema estará disponível das 9 horas do dia 14 de agosto de 2014 até às 18 horas do dia 15 de agosto de 2014.

FONTE: INEP

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

REVALIDA: Resultado da Primeira fase do REVALIDA já está disponível para os candidatos


REVALIDA: Resultado da Primeira fase do REVALIDA já está disponível para os candidatos.

Os candidatos devem entrar no site do INEP  e em ACOMPANHE SUA INSCRIÇÃO!!


FONTE: INEP